Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Linguagem popular: Goiás

Achar certidão: encontrar roteiro, rumo, caminho
Armar malquerença: contrair inimizades, provocar aversões

Bater de raspão: passar rente, roçar
Botar o pé no mundo: fugir, azular

Casar atrás da porta: amigar-se, amancebar-se
Clarear um caso: resolver um assunto, deixar tudo esclarecido
Comer na gaveta: ser avarento, pão-duro
Correr à coxia: ir de um extremo a outro e enfrentar a labuta, azáfama de serviço

Dar na quarta: dar a luz
Dar o dito pelo não dito: desfazer o trato, o que se havia combinado
Desfazer a meada: por fim a intriga
Diz-que-diz: mexerico, intriga
Dormir no macio: viver folgado

Estar de orelha em pé: estar atento, prevenido, desconfiado
Estar no ata não desata: estar indeciso, não saber dar a solução a
Esticar a corda: exigir muito

Fechar a porteira: casar com viúva

Galã de bandeja: figurante sem importância

Jogar o verde: puxar pela boca de alguém para colher informações

Lavar urubu: estar desempregado

Matar o bicho: tomar bebida alcoólica
Montar no gavião: ficar envergonhado, desapontado

Nem tique, nem taque, com a variante nem tico, nem taco: perder tudo, ficar sem nada, não dizer nada, ficar em silêncio

Patati-patatá: expressão onomatopaica, que se refere a palavreado longo e enfadonho
Pegar no rabo da tirana: trabalhar com a enxada
Pensar que berimbau é gaita: tem sentido de ameaça, de advertência
Picar a mula: fugir
Por reparo: comentar, ver coisas com maldade
Por sal na moleira: tomar cautela, ser prudente
Puxar intimidade: procurar tornar-se íntimo, procurar estreita aproximação

Rasgar o rojão: pontear a viola, rasgar-lhe o toque
Raio não cai em pau deitado: quem toma cautela evita desgraça
Roncar o pau ou a lenha: haver briga, pancadaria

Sair da brasa e cair na labareda: sair de uma situação má para uma pior
Ser de muita prosopopéia: ter muita empáfia, ser vaidoso
Soltar a língua: dizer o que vem à cabeça

Ter o corpo fechado: achar-se prevenido contra feitiços, macumbas, doenças ou tiros, contra todos os males
Ter sono de xexéu: ter sono leve
Tirar a coisa a limpo: esclarecer tudo, procurar explicação para

Vocabulário

Abrideira: aguardente de cana, para abrir o apetite
Aprochegar: forma expressiva de aproximar + chegar
Assuntar: prestar atenção, olhar, bisbilhotar
Atru-dia: outro dia

Bandoleira: desviado do rebanho, trapaceira, mentirosa
Banzar: pensar tristemente em coisas impressionantes
Briquita: lida, serviço, com a forma infinitiva, tem o sentido de lidar com dificuldade

Cambulho: ajuntamento de algo, animais ou coisas
Chape-chape: terreno duro e seco; ruído, batida dos pés do animal

Espandongar: pôr em desordem, estragar, esfrangalhar

Fixe: fixo

Guaxo: animal e, por extensão, criança amamentada com leite não materno

Lazeira: calamidade, miséria, lepra
Lereia: conversa mole com que se pretende iludir alguém

Patuá: cesto de palha, balaio; bentinho com rezas milagrosas
Ponche-pala: ponche leve, pala
Positivo: mensageiro, portador

Salvar: cumprimentar, saudar, fazer cortesias
Soverter: o mesmo que subverter

Trelente: indiscreto, conversador

24 comentários:

  1. tinha q ter porque surgio e de onde veio

    ResponderExcluir
  2. tinha qe ter um tatro com essas giria. =x

    ResponderExcluir
  3. legal ajudou muito no meu trabalho de geografia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que essas girias tem a ver com geografia?

      Excluir
    2. Várias coisas vc não estudou não

      Excluir
    3. Trabalho de girias das regiões do país

      Excluir
  4. O quê? O.O'
    De onde vc's tiraram q nos goianos falamos assim?
    As duas únicas frases q eu já disse desa lista foram:"Tirar a coisa a limpo(Por exemplo:Vamos tirar a limpo essa historia)", e "Diz-que-diz(exemplo: Ela diz-que-diz q e verdade!)", só o resto nunca nem vi ninguém aqui falar!'-'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode me dar uma dica de como voces falam ? Preciso faazer um trabalho ! Obrigada

      Excluir
    2. Os Paulistas querem ser os tais, eles dizem que somos caipiras, mais eles quando quer casar ou arrumar namorada bonitas aonde eles vem em Goias é porque somos as mulheres mais bonitas do Brasil, sim mos as goianas.Nos somos mesmo

      Excluir
  5. Concordo plenamente com o comentário acima. Se for assim, quem nasce em Goiás não é goiano mais, pq eu desconheço essas gírias aí de cima. Perguntei minha avó, e nem ela que tem 72 anos e morou na roça quase a vida toda não sabe da maioria. As únicas coisas que já ouvi falar e estão citadas acima são ''Bater de raspão'' e ''Tirar a coisa a limpo''. Que calúnia, esse tipo de gíria aí era usada no início do século XX pelas classes menos favorecidas. Fica aqui a minha indignação u.u BEYGOS.

    ResponderExcluir
  6. manolo antes de publicar vc deveria pesquisar se estas girias são mesmo usadas .

    Sou Goiano e so ouvi falar no maximõ umas tres girias citadas acima.

    Fiko Meio Triste Pq Pessoas que não conhece nossa
    cultura aprenda errado.

    Procure Postar Informações verdadeira que vc vai obter mais sucessso.

    abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tambem sou goiana e acho muito legal o nosso linguajar, hoje ja perdi um pouco o modo de falar pois atualmente moro no MT mais curto muito os goiano e a palavra "ribuçar" aqui no Mt ninguem intende e uma comedia kk

      Excluir
    2. Ei tudo posso mas convenhamos de que os goianos tbm deviam pesquisar né? Vocês acham que os paraenses todos chiam e etc etc

      Excluir
    3. E quem falou que giria é cultura claro que nao é giria sao conversas de rua vc nunca usa giria em escola ou no serviço

      Excluir
  7. Que dia q nos goianos falamos assim!
    ridiculo isso affs

    ResponderExcluir
  8. nois goiano nao fala assim so umas 3 palavras ai viu!! melhor pesquizar direitor antes de escrever

    ResponderExcluir
  9. nuuuuuuuunca! De onde tirou isso?

    ResponderExcluir
  10. Às pessoas que estão reclamando a respeito de que se fala ou não assim. De fato essas são expressões utilizadas pela população em Goiás (Goiano é quem nasce em Goiás e não apenas em Goiânia. Mas são expressões mais comuns em cidades do interior, onde o linguajar mais tradicional é ainda usado.
    Não entendo a ofensa tomada por alguns, é um vocabulário belíssimo e não há por que se envergonhar de onde viemos.
    Eu sou goiano e já sim ouvi a grande maioria desses jargões usados frequentemente, quando eu mesmo não os uso. E olha que tenho só 23 anos.
    Muito bom post, me fez lembrar de minha bisavô, que usava muito desse belíssimo dialeto, e de minha infância nas chácaras de meus tios e tias. Esses sim eram goianos de verdade.

    ResponderExcluir
  11. essa gírias são do século XVIII, essas eram as palavras arcaicas usadas dos nossos ancestrais, e por isso que nos não falamos muito essas palavras porque estamos no século XXI.

    ResponderExcluir
  12. GOIANO FALA CAIPIRÊS, PAULISTA FALA MATUTÊS DE LÍNGUA TORTA,
    PARAENSE FALA CHIADÊS, CARIOCA FALA MALANDRÊS E O RESTO DO BRASIL FALA O BRASILEIRO .....
    PORTUGUÊS DE VERDADE NINGUÉM!!!

    ResponderExcluir
  13. Muito bom, quem viveu no mato conhece bem essa linguagem, deu saudade da roça.

    ResponderExcluir
  14. Muito bom, quem viveu no mato conhece bem essa linguagem, deu saudade da roça.

    ResponderExcluir