Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

Carregando...

domingo, 30 de maio de 2010

Gírias Gaúchas

Acolherar; Acolherar-se: Unir, juntar, juntar-se, associa-se.
Alambrado: aramado; cerca feita de fios de arame.
Amargo: Chimarrão, mate amargo.
Apear: Descer; apear-se do cavalo.
Bagual: Potro recentemente domado, arisco, bisonho.
Bergamota: tangerina, mexerica.
Bochinche: Desordem, briga; baile de ínfima classe.
Bolicho /e: Pequena casa de negócio; taverna,. Bodega.
Bueno: bom; está bem; perfeitamente.
Cambicho: Apego, paixão, rabicho.
Campear: Procurar pelo Campo.
Cana, canha: cachaça, aguardente.
Carreira: Corrida de cavalo, em cancha reta.
Cevar mate: Fazer o chimarrão e servi-lo às pessoas.
Charlar: Conversar, prosear.
Chasque: Mensageiro pessoa que leva recados.
Chula: Dança em torno de uma lança colocada no chão.
Com o pé no estribo: Prestes a partir.
Crioulo: Natural de um determinado lugar, aborígene.
De vereda: Imediatamente, logo a seguir.
Despacito: Devagar, pouco a pouco.
Entrevero: Desordem, confusão de pessoas, mistura.
Espichar a canela: morrer.
Flete: Cavalo bom e de bela aparência; cavalo.
Gaudério: Pessoa que viaja muito; gaúcho; errante.
Guaiaca, rastra: Cinto largo de couro macio.
Guaipeca, cusco: cão vira-lata; cão pequeno.
Guapo : Forte, valente, bravo.
Guasca: Tira de couro cru; guapo; gaúcho; valente.
Guri, guria: Menino, menina.
Juntar os trapos: casar
Lambada: relhada, laçaço.
Lambão: porcalhão, imundo.
Macanudo: Superior, poderoso, forte, rico
Maleva: Malfeitor, perverso, mau
Matambre: carne entre a costela e o couro
Matahambre: Mata fome.
Matear: Tomar mate, tomar chimarrão, chimarrear.
Matungo: Cavalo velho, ruim, imprestável
Naco, naca: Pedaço, porção, fatia.
Pandorga: Pipa, papagaio de papel.
Passar um pito: Repreender, descompor.
Patrão-grande, Patrão-Velho: deus.
Pechada: Choque, encontrão dado no peito.
Pelego : Pele de ovelha, com a lã natural.
Peleia: Contenda, briga, dispuda.
Pilcha: vestimenta típica do gaúcho; jóia.
Pingo: Cavalo bom, corredor, vistoso, fogoso.
Pulperia: venda, bodega,bolicho/e; casa de negócio, taverna.
Querência: Pago, lugar onde se nasceu, o rincão, o lar, a pátria.
Recavém: Traseiro, nádegas; parte traseira das carretas.
Redomão: Cavalo novo, sendo domado, ainda não bem manso.
Relancina: Repente, rapidez; repentinamente.
Retovar: Vestir com couro; envolver em couro.
Taita: Indivíduo valentão, destemido; em quíchua é Pai.
Tarecos: Móveis velhos; objetos sem valor.
Tererê: Chimarrão com água fria.
Trompaço: Encontrão, choque, bofetão, pechada.
Xerenga: faca velha, ruim.

15 comentários:

  1. É tão diferente da região que moro! É incrivel como a forma de expressar a palavra muda de um lugar para outro.

    ResponderExcluir
  2. é Tri o sotaque daqui.

    ResponderExcluir
  3. Falto "pegararã" que bha tche não boto pq?!

    ResponderExcluir
  4. E alemão esquentado, o que significa?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. bagacera, vai lava essa boca podre com creolina

      Excluir
  5. eu sou gaucho e tem mtas girias que eu nunca ouvi falar
    eh bom aprender coisas novas com esses sites

    ResponderExcluir
  6. Mas bah, tchê! Afú

    ResponderExcluir
  7. não sou gaucha ,mais eu tenho sotaques de gauchos

    ResponderExcluir
  8. achei mais um site sobre isso : http://nadave.net/2008/06/dicionario-gaucho/

    ResponderExcluir
  9. manow muito bala ese treco aqui !

    ResponderExcluir
  10. Sou paulistana da gema com veia e coração gúchos. Todos meus irmãos são gaúchos e meus pais, in memorian, também eram, eu nasci em Sampa, este ano fui a Santa Maria e pretendo voltar para conhecer a terra de meus pais e avós, Santo Angelo, Ijuí, Monte Negro e Santa Rosa, amo o Rio Grande do Sul, um dia pretendo morar aí. Sugestões para o dicionário: cacareco, chera-peido, lacaio, ambrosia.

    ResponderExcluir