Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

Carregando...

domingo, 30 de maio de 2010

Gírias Paulistanas

Arranchar: acampar, estabelecer moradia, fixar-se (vem de rancho e se origina do linguajar tropeiro)
Arribar: chegar
Assuntar: perguntarm inquirir, também meditar
Assustado: baile de improviso, função
Banzé: desordem, briga, confusão
Batuta: excelente, ótimo. Usado para dar nome a animais domésticos.
Biriba: o mesmo que caipira ou tropeiro. Também é um jogo de cartas
Bizarria: esforço, bravura, valentia. Como vai essa bizarria?
Boneca: espiga de milho madura. O milharal fica então embonecado
Breganhar: substantivo e verbo. Troca, barganha
Cacunda: costas, ombro, corcunda
Cafundó: lugar distante, ermo, desértico. Morar no cafundó, ir para o cafundó. Curiosamente tornou-se um nome de família.
Caipirismo: coisa, mancada, atitude de caipira. Caipirada
Calumbo (calombo): inchação, protuberância, acidente do terreno
Cambito: pau para amarilho, perna fina
Carne-de-vaca: coisa muito comum, vulgar, banal
Casamento de espanhol: sol e chuva
Casamento de raposa: sol e chuva
Catinga: mau cheiro, fedor
Catingueiro: capinzal que cresce em lugares altos, a salvo da geada; outro nome do veado campeiro Cheiro de história(s): vaidoso, enjoado,

complicado
Chucro: bravo, não domado, ignorante
Chupim (chopim): parasita.
Coco: armadilha para peixe
Colher-torta: intrometido, não chamado à conversa.
Dependura (estar na...): sem dinheiro, pronto
Diacho: diabo, amolação. Que diacho!
Direito: sério, correto; moça direita
Direitura: indicativo de rumo, direção
Empinar: corcovear o cavalo; levantar, erguer no espaço
Esganação: apetite, gula, devorar o alimento com sofreguidão (esganado)
Estrupício: desordem, barulho, chatice
Farofa: gabolice, contar garganta
Faxina: mato sujo; limpeza (termo de origem militar)
Folgazão:mestre de reza, violeiro
Função: baile, fandango
Grana: dinheiro
Historiada: coisa complicada
Impacado (empacado): cavalo ou boi que não sai do lugar
Impipocado (empipocado): criar pipocas ou borbulhas na pele. Próprio dos variolosos.
Jacá: cesto ou bruaca de taquara
Juda(s): substantivo e adjetivo de remota conotação anti-semítica. Traidor, palhaço, falso. Boneco de pano malhado na Aleluia. "Malhar o judas".
Levado: peralta, moleque; moça leviana (levada)
Mal (O): designação popular da lepra, evitando a palavra terrível
Matungo: cavalo velho ou lerdo
Mecê: Vossa Mercê; você (ocê)
Moça: jovem senhorita (conotação diferente do Nordeste)
Moda: cantiga de viola (cantiga de moda)
Mundana: mulher da vida (do mundo)
No mais: ademais, além disso
Pacuera: as entranhas. Conjunto de traquéia, bofes, coração, fígado e baço de alguns animais, especialmente o boi, carneiro e porco.
Pôr as pacueras de fora: pôr o peito, os sentimentos à mostra.
Pagode: festa, baile, farra. Pagode popular. O equivalente a pândega. Visível orientalismo.
Pajem: moça ou menina que toma conta de criança pequena
Pamonha: lerdo, mole, sem préstimo
Pantomima: comédia, encenação, drama de circo
Pidonho(a): pidão, pedichão
Pito: cachimbo de barro, com canudo (canudo de pito). Hoje, sinônimo de cigarro: Me dá um pito. Também repressão, advertência.
Pururuca: couro torrado, torresmo
Puta: prostituta, usado correntemente no sentido de grande, enormidade
Quirera: mistura de milho e farelo própria para pintos e galinhas; coisa insignificante
Rabeira: ficar para trás, o último colocado
Rabicho: peça do arreio. O termo é usado também para significar atração sensual, amor constante, namoro
Repassar: remontar, revisar. Repassar o cavalo.
Sacudido: forte, valente, saudável
Sapeca: levada, leviana; carne mal-passada (sapecada)
Sororoca: rumor da respiração dos moribundos. Está com sororoca: está morrendo.
Sufragante: flagrante, surpresa; a "parte" (jurídico)
Supimpa: ótimo, excelente
Sustância (substância): força, coragem, energia
Tapera: casa velha e abandonada, ameaçando ruína; decadência
Toada: ritmo, marcação, marcha. Seguir numa toada.
Tobiano: raça cavalar de criação do brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar (Aluísio de Almeida); cavalo pampa ou malhado
Trabucar: trabalhar. "Quem não trabuca, não manduca" (provérbio citado por Amadeu Amaral)
Trabuco: garrucha
Trucar: provocar o adversário no jogo de truco; donde, trucada
Turuna: ótimo, excelente, bacana, cutuba. Usado para dar nome a animais domésticos
Tutu: virado de feijão (tutu-de-feijão). Empregado em relação às mulheres de formas atraentes: É um tutu.
Varar: atravessar, romper. Varei o campo, varei o caminho. Muito usada a expressão varei a noite, no sentido de passá-la em claro; donde varação

("varar" canoas em terra)
Velhacar: assustar, empinar o cavalo; de velhaco

19 comentários:

  1. eu sou paulistana e nunca ouvi falar na metade dessas girias u.u

    ResponderExcluir
  2. muitas dessas girias tb nao ouvi e sou de sampa

    ResponderExcluir
  3. viajou ( quer dizer inventou)

    ResponderExcluir
  4. Meu eu sou paulistana, mas nunca ouvi falar nessas girias foi a minoria

    ResponderExcluir
  5. Meu,eu nasci em sampa e nunca ouvi falar nessas merdas aí!

    ResponderExcluir
  6. também nunca ouvi falar na maioria, que brisa. AHAH

    ResponderExcluir
  7. Q bosta é essa nunca ouvi falar.

    ResponderExcluir
  8. Eu preciso falar na gíria pois eu sou considerado antissocial e por isso estou á procura de gírias,principalmente as de São Paulo.

    ResponderExcluir
  9. SOU PAULISTANO E TAMBÉM NUNCA OUVI MAIS DA METADE DESSAS GÍRIAS.

    ResponderExcluir
  10. Aff, pára mano. Que bosta é essa ? Isso nunca foi giria usada em Sampa. Tá mais pra gíria baianês !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem razão, gíria de são Paulo tem que ser gíria de boiola

      Excluir
    2. Tem razão, gíria de são Paulo tem que ser gíria de boiola

      Excluir
  11. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  12. Sou Paulista e desconheço essas gírias aí... saíram de onde???? Melhor se informar. Fazer um estágio por aqui antes de escrever coisas nada a ver...

    ResponderExcluir
  13. De todas as palavras listada, já ouvi 28 delas. O resto não sei nem de onde vc tirou...

    ResponderExcluir
  14. O meu ! tah me tirando ? Qualeh ..paulista nao reza na sua cartilha nao ! vacilao ! te cuida mano ..

    ResponderExcluir
  15. conheço boa parte delas, mas são girias paulistas e não paulistanas, na capital realmente vai ser muito dificil você encontrar pessoas falando assim, mas saindo um pouquinho muitas delas ja vão surgir nas conversas, viajo bastante e boa parte delas ja tinha ouvido.

    ResponderExcluir